Foto: Divulgação/ CMBH

Falta de estrutura física foi o principal problema constatado pela Comissão de Educação, Ciência, Tecnologia, Cultura, Desporto, Lazer e Turismo em visita técnica à Escola Municipal Pedro Nava, no Bairro Olhos D’Água, Região Centro-Sul de Belo Horizonte, na última quarta-feira (14/8). Na visita à escola, que atende mais de mil alunos, verificou-se que a quadra esportiva, escadas e rampas, na entrada principal, não possuem cobertura. Foram observados, ainda, vazamentos nos banheiros e computadores obsoletos na biblioteca. Além disso, de acordo com o vereador Gilson Reis (PCdoB), que requereu a visita, ao contrário das demais escolas vistoriadas neste ano pela comissão, nessa instituição a educação infantil e o ensino fundamental dividem, em turnos distintos, a mesma sala de aula. A comissão encaminhará ofício à Secretaria Municipal de Educação, cobrando providências para os problemas apontados.

A Escola Municipal Pedro Nava atende alunos da educação infantil e do ensino fundamental, totalizando 19 turmas pela manhã, 19 à tarde e quatro à noite, com a Educação de Jovens e Adultos (EJA). Também são recebidas cerca de duas mil pessoas por mês na escola aberta (a comunidade pede, com frequência, para utilizar a escola), de segunda a segunda.

Demandas apresentadas

Na vistoria, a diretora Juraci Cardoso de Araújo e Silva, a vice-presidenta, Rosana Aparecida Ferreira, e a coordenadora da Escola Integrada, Márcia Ramos, apresentaram demandas como a cobertura da quadra esportiva, da escada e de rampas na entrada da escola, para acesso ao estacionamento e ao ginásio, evitando, assim, que alunos, professores e pais se molhem ao transitar nesses locais em época de chuvas. As gestoras também falaram da falta de acessibilidade para o segundo andar, salientando, todavia, que foi construído um banheiro acessível na instituição, com verba destinada para este fim. Outra solicitação apresentada foi a aquisição de novos computadores para a biblioteca.

Nos banheiros, foram feitos pequenos reparos, como a adequação de bancadas e do escovário. Entretanto, os banheiros ainda apresentam problemas de vazamento, podendo-se sentir o cheiro de esgoto. Passaram ainda por reformas a cantina, o refeitório, o parquinho, painéis para a área pedagógica e mobiliário. Contudo, apontou-se a necessidade de nova reforma estrutural em alguns ambientes. Foram solicitadas, ainda, melhorias no piso de algumas salas de aula do primeiro andar; e a cobertura da quadra esportiva com rede de proteção.

Salas compartilhadas

De acordo com a diretoria da escola, o espaço físico é insuficiente para comportar o número de alunos, principalmente da educação infantil, entre 4 e 5 anos, com 12 turmas. Duas salas são totalmente adaptadas e exclusivas para esse uso; as demais atendem, pela manhã, o ensino fundamental e à tarde, a educação infantil. Na oportunidade, o vereador Gilson Reis ressaltou que, entre todas as escolas visitadas pela comissão neste ano, essa é a única onde funcionam conjuntamente a educação infantil e o ensino fundamental, fato questionado pelo parlamentar.

Encaminhamentos

Segundo Gilson Reis, a comissão encaminhará ofício à Secretaria Municipal de Educação cobrando a execução urgente da obra do banheiro, com problemas estruturais e de esgoto. Quanto à quadra e à cobertura de entrada, o pedido também será encaminhado à Prefeitura via Lei Orçamentária Anual. No que se refere à questão pedagógica, será feita uma tentativa junto à secretaria, para que seja alterada a incorporação da educação infantil, com a preservação do espaço, com cadeiras e carteiras adaptadas para essa faixa etária.

* Com informações da Superintendência de Comunicação Institucional da Câmara Municipal de Belo Horizonte

Postagens Recomendadas

Deixe um Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.