Contra os cortes na Capes, pós-graduandos em luta pela educação, ciência e tecnologia!
O comunicado do Conselho Superior da CAPES, elaborado por sugestão da ANPG e publicado no dia 01 de agosto, tem despertado grande indignação entre os pós-graduandos, pós-graduandas, pesquisadoras e pesquisadores de todo país. Já existem atos, assembleias e debates organizados para os próximos dias em diversas universidades brasileiras, demonstrando a disposição do movimento nacional de pós-graduandos e comunidade científica em defender os investimentos em Ciência e Tecnologia e em Educação.

A manifestação da CAPES expõe alguns dos efeitos da draconiana Emenda Constitucional 95. Caso o “teto de gastos” seja implementado em 2019, o sistema nacional de pós-graduação, os programas de formação de profissionais da rede básica de ensino e o fomento para a cooperação internacional estarão com falência anunciada para agosto de 2019. Isto significa, no caso da pós-graduação, a suspensão do pagamento de 93 mil bolsas de mestrado, doutorado e pós-doutorado e de prejuízo à continuidade dos programas de internacionalização.

O Conselho Superior da Capes cumpre importante papel ao pressionar o presidente ilegítimo Michel Temer a não vetar a proposta de emenda ao Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2019 expressas nos artigo 06 e 22. Na prática, essas propostas impede a aplicação da EC 95 para o Ministério da Educação, assegurando o piso orçamentário equivalente ao orçamento de 2018 corrigido pela inflação além de garantir que os recursos próprios das universidades, como alugueis de imóveis, não sejam consideradas como despesas primárias e retirando esse montante do teto de gastos.

Caso as emendas sejam vetadas, o orçamento destinado à CAPES para 2019 será de aproximadamente 3,3 bilhões de reais, isto significa 500 milhões a menos em relação a 2018. Alem disso, as universidades poderão perder cerca de 1 bilhão provenientes dos recursos próprios. O cenário será realmente dramático, pois os cortes de investimento em Ciência e Tecnologia ocorrem desde 2016 no bojo das políticas de ajuste fiscal. A título de comparação, o orçamento dotado para a Capes em 2015 é equivalente a 7,4 bilhões de reais, aproximadamente o dobro de 2018.

A LDO atualmente está nas mãos da presidência para ser sancionada até o dia 14 de agosto. É urgente a mobilização em defesa da manutenção do piso de orçamento da Capes, já deteriorado nos últimos anos, de modo a assegurar o pagamento das bolsas de pesquisa e formação em 2019.

Trata-se de um patamar mínimo a partir do qual não podemos retroceder. É momento de garantir as emendas para o setor educacional da LDO sem esquecer da necessidade de ampliar os investimentos públicos a fim de viabilizar reivindicações como o reajuste das bolsas e a garantia de direitos previdenciários para os pós-graduandos. Tais conquistas só podem ser alcançadas com a revogação da EC 95 e com aprovação urgente medidas como a destinação de 25% do fundo social do pré-sal para a ciência e tecnologia ( PL 5876/2016).

A ANPG incentiva as ações organizadas para os próximos dias e convoca a todos pós-graduandos e pós-graduandas para centrar esforços e construírem atos locais nas cidades brasileiras e universidades e no dia 14 de agosto o DIA NACIONAL DE LUTAS EM DEFESA DAS BOLSAS, DA EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA, integrando as jornadas de lutas das entidades estudantis em Brasília.

Seguiremos firmes nessa luta mais que justa, necessária!

Postagens Recentes

Deixe um Comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.